quinta-feira, 22 de julho de 2021

Poluição luminosa: pesquisadores franceses alertam sobre consequências nefastas para biodiversidade

‘Excesso de luz artificial constitui fonte de perturbação para ecossistemas e representa desperdício energético considerável’, diz estudo

Imagem aérea noturna da Europa em 18 de março de 2021. FOTO: Pierre Boccon-Gibod

O Centro Nacional de Pesquisa Científica da França (CNRS) propõe uma nova prática para combater a poluição luminosa: a adoção de “redes ecológicas escuras”.

A nova abordagem resulta de um estudo que sintetiza uma série de pesquisas sobre o impacto da luz artificial nos seres vivos. Ele revela os limites da política predominante para iluminação de espaços públicos como estratégia para atenuar os efeitos nocivos à vida causados por essas instalações.

sexta-feira, 2 de julho de 2021

Covid-19 e meio ambiente: preservação de biodiversidade para evitar pandemias é consenso entre cientistas, em livro lançado na França

Dezenas de especialistas consultados afirmam em publicação que só a prática ecológica pode nos livrar de uma ‘era de confinamento crônico’

Coautora do livro La Fabrique des Pandémies (Ed. La Découverte), a premiada jornalista francesa Marie-Monique Robin. https://www.lemediatv.fr/emissions/2021/covid-19-la-fabrique-des-pandemies-W_8vVvh-QNqdUXgZldRVkg

A jornalista francesa Marie-Monique Robin e seu compatrício Serge Morant, ecologista e especialista em doenças infecciosas, são os autores de “Fábrica de Pandemias – Preservar a biodiversidade, um imperativo para a saúde” (Paris: Editora La Découverte), obra que elucida porque “face a novas doenças contagiosas, a biodiversidade é sinônimo de resiliência”.

Lançado em fevereiro de 2021, o livro é embasado por explicações de 62 cientistas, uníssonos em defender enfática e urgentemente a preservação da biodiversidade como solução para impedir futuras pandemias.

domingo, 27 de junho de 2021

Aquecimento global: agência americana NOAA registra novo recorde de CO2 atmosférico

Apesar da pandemia, emissões de gases de efeito estufa expressas em dióxido de carbono alcançaram nível máximo desde o início das medições

Catarina, primeiro ciclone observado no Atlântico Sul em 2004, é um fenômeno climático extremo. Imagem: NASA/Earth Observations Laboratory

A Agência Oceânica e Atmosférica Americana (NOAA) informou no último dia 7 que a concentração de CO2 na atmosfera atingiu no mês passado seu maior valor desde os primeiros registros, há 63 anos.

De acordo com dados do Observatório Vulcânico de Mauna Loa, no Havaí (EUA), a taxa média de CO2 atmosférico em maio de 2021 superou 419 ppm (partes por milhão).

segunda-feira, 21 de junho de 2021

Biodiversidade e clima são dois lados da mesma moeda e devem ser foco do mesmo combate, alertam IPBES e IPCC em parceria inédita

Principais instâncias científicas mundiais sobre biodiversidade e mudança climática advertem sobre perigo de ações centradas no clima impactar ecossistemas e vice-versa

https://www.ipbes.net/sites/default/files/2021-06/20210609_workshop_report_embargo_3pm_CEST_10_june_0.pdf

Pela primeira vez, a Plataforma Intergovernamental de Políticas Científicas sobre Biodiversidade e Ecossistemas (IPBES) da ONU e seu homólogo para o clima (IPCC) realizaram um trabalho conjunto, que durou cinco anos.

No relatório Biodiversity and Climate Change, publicado no último dia 10, cientistas da IPBES e do IPCC acenderam a luz amarela do “semáforo da encruzilhada ambiental”, alertando para o risco de um iminente ponto de inflexão global.