quarta-feira, 30 de dezembro de 2020

Teria havido 130 anos atrás uma pandemia de ‘Covid-18’?

Evidências científicas indicam que ‘gripe russa’ do século XIX teve características semelhantes às da atual epidemia de Covid-19

Em 1890, anúncios promoviam inaladores nasais como “remédio” para o excesso de catarro. GETTY IMAGES  

Menos conhecida que a devastadora gripe espanhola, epidemia que matou entre 50 e 100 milhões de pessoas, de 1918 a 1920, a chamada gripe russa (1889-1894) não é menos interessante e, talvez, a mais pertinente a ser evocada como referencial no contexto da Covid-19.

Estudos com diferentes enfoques (genéticos, epidemiológicos e clínicos) apontam várias semelhanças entre a histórica pandemia -que eclode com o advento das ferrovias na Europa e na Ásia- e a atual pandemia viral respiratória.

segunda-feira, 21 de dezembro de 2020

Então é Natal... mas teria Jesus Cristo nascido realmente em 25 de dezembro?

‘Grande conjunção’ de Júpiter com Saturno prevista para hoje reproduz fenômeno que teria ocorrido na noite de nascimento do Messias e reforça tese de que Natal teria sido em outra data

Superposição de imagens mostra aproximação de Júpiter com Saturno até a "grande conjunção" prevista para 21 de dezembro de 2020. FOTO: NASA

O último mês do ano e o ‘marco zero’ da Era Cristã muito provavelmente não condizem com a história de nascimento do Menino Deus. Com base nas escrituras e nas descobertas científicas, historiadores e arqueólogos buscam há décadas conhecer a vida de Jesus do ponto de vista histórico.

Se ainda não se sabe o dia exato em que Ele veio ao mundo, há fortes indícios de que não foi em dezembro e muito menos no ano que precede o convencionado “ano um” da nossa era.

sábado, 19 de dezembro de 2020

GreenToken: projeto inovador visa criar ‘Spotify da energia renovável’

Com aval inédito da Comissão de Valores Mobiliários da França, empresa lança no mercado de ativos digitais europeu oferta pública para aquisição de jetons em prol de transição energética

https://www.thecointribune.com/actualites/ico-de-wpo-comment-acheter-le-greentoken-gtk/

A precursora do projeto é a WPO (Wind Prospect Operations), líder europeia de plataformas independentes em serviços e produtos no setor de energias renováveis.

Em maio deste ano, a empresa obteve aprovação da Autoridade de Mercados Financeiros (AMF) francesa para lançar uma Oferta Pública de jetons GreenToken. Uma iniciativa pioneira no mundo, para uma Oferta Inicial de Moeda (ICO - Initial Coin Offering) operada por uma blockchain na área de energia.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2020

Crise de Covid-19 promove redução recorde de 7% das emissões de CO2 em 2020, indica estudo

Medidas de combate à pandemia impuseram queda drástica da demanda energética, principalmente nos EUA, União Europeia e Índia, nem tanto na China

Cidade de Nova Iorque sob medidas de contenção da Covid-19. FOTO: Mike Segar/Reuters https://www.nytimes.com/2020/04/24/opinion/coronavirus-lockdown.html

A quantidade de gases de efeito estufa liberada na atmosfera este ano pode ser maior apenas do que aquelas registradas em outras crises mundiais, como a de 1945, 1981, 1992 e 2009, quando as emissões não superaram 0,9 bilhão de toneladas de CO2 equivalente (tCO2). Em 2020, elas devem somar 2,4 bilhões de tCO2.

O balanço anual do Global Carbon Project (GCP), divulgado no último dia 11, estima um impacto máximo da crise pandêmica sobre as emissões poluentes, em relação à redução prevista de 2 a 7% até o final do ano, dependendo da duração das quarentenas nos países. No início de abril, a diminuição global média das emissões diárias foi estimada em 17%.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2020

França: solar fotovoltaico pode abrir caminho para ‘relocalização’ da produção industrial europeia

País da Europa mais atrativo para investimento em energia solar fotovoltaica pode impulsionar fabricação de painéis na região

https://www.solarpowereurope.org/global-market-outlook-2019-2023/

Globalmente, as energias renováveis não foram tão afetadas pela crise pandêmica. Com tarifas atrativas e acesso prioritário à rede elétrica, as instalações fotovoltaicas na França não chegaram a ser penalizadas pela queda do consumo de 15%, registrada no primeiro mês de confinamento.

Nove entre os dez maiores fabricantes de painéis fotovoltaicos do mundo são chineses. A queda vertiginosa dos preços dos equipamentos, reduzidos a 10% do que custavam em 2010, explica o crescimento consistente deste mercado na Europa.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2020

Clima: para limitar aquecimento global, produção mundial de combustíveis fósseis deve cair 60% até 2030, diz ONU

Relatório especial sobre perspectivas de demanda e produção de petróleo, gás e carvão adverte que previsão de alta dos países produtores ameaça meta de elevação da temperatura planetária em 1,5 oC

Central elétrica de carbono em Niederzier-Elsdorf, Nordrhein-Westfalen (Alemanha). FOTO: Sipa Press https://www.lopinion.fr/edition/economie/l-allemagne-fixe-a-2038-l-arret-total-centrales-a-charbon-175918

Por um lado, vários países, entre eles os mais poluidores, anunciam em 2020 compromissos alvissareiros com a neutralidade de carbono, mesmo em um cenário de retomada econômica no pós-pandemia. Por outro lado, no mesmo ano os maiores produtores de combustível fóssil sinalizam com planos de aumento da produção.

No último dia 2, pesquisadores do Programa da ONU para o meio ambiente (UNEP, na sigla em inglês) divulgaram o Production Gap Report (Relatório sobre Lacuna de Produção), em que defendem uma redução da produção global de combustíveis fósseis à razão de 6% ao ano na próxima década, para impedir o aumento da temperatura do planeta além de limites considerados sustentáveis.

sexta-feira, 4 de dezembro de 2020

Clima: cenário otimista para 2100 pode se concretizar com neutralidade de carbono na China e nos EUA, diz estudo atualizado

Nova projeção, com base em anúncios de países compromissados em zerar emissões, indica possibilidade de limitar elevação de temperatura planetária ao final do século

Adaptado de imagem do relatório Global update: Paris Agreement turning point, do Climate Action Tracker, de dezembro de 2020

Um novo estudo do Climate Action Tracker (CAT), divulgado há poucos dias, considerou em suas projeções promessas recentes para a redução de emissões de um grupo expressivo de países, especialmente dos maiores poluidores do planeta, China e Estados Unidos. Os resultados indicam que o aquecimento global até 2100 pode se limitar a 2,1 oC, uma meta considerada otimista.

A atual modelização feita pelo CAT inclui declarações oficiais de chefes de estado de 127 nações, que se comprometem com metas de “neutralidade de carbono” para as próximas décadas. Juntos, esses países respondem por 63% das emissões planetárias.